Investidor Inglês

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Histórias da Bolsa de Valores - Ricardo e Jean


Hey!


   Hoje o post é sobre histórias da bolsa de valores.  Espero que gostem!  Let's go!


Ricardo e a Bolsa de Valores


Ricardo conheceu a bolsa de valores através de um professor na faculdade. O professor dele falava tão bem sobre a bolsa, tanto que chamou a atenção de Ricardo. Um dia após mais uma demonstração das maravilhas que o professor falava, Ricardo, ao final da aula, pediu licença para falar com o professor;

 - Professor, as ações valorizam dessa forma que o senhor tanto fala?
 - Sim, tanto falo que não há limites para sua valorização.
 - Hmm, mas como escolher essas ações? (O professor citou na aula ações que valorizaram mais de 1000%)
 - Ricardo, ninguém sabe responder isso.  Mas podemos estudar as empresas e escolher as com melhores fundamentos.

Ricardo ficou pensando nas coisas que o professor lhe disse. Também já estava decidido entrar na bolsa de valores. Só não sabia como.
Antes de entrar, pensou;

 - Vou usar esse simulado do Uol que o professor indicou. Assim não inicio com dinheiro real e vou me acostumando...

E então após o cadastro montou sua carteira. Passou a acompanhá-la todos os dias. As vezes, ficava mais de uma hora observando o sobe e desce das ações.
Impaciente e feliz com os resultados que apareciam na tela, Ricardo se decidira;

 - Vou abrir uma conta em uma corretora hoje mesmo!

E assim foi. Ricardo abriu conta em uma corretora em outubro de 2007.
Após a abertura, Ricardo enviou R$1000,00 para sua conta. A ansiedade era tanta que ligava de 10 em 10 minutos perguntando para a corretora quando o dinheiro cairia. A resposta era sempre a mesma. Em uma hora.
Em uma tentativa despretensiosa, abriu o site da corretora e após o carregamento da página, suspirou;

- Até que enfim! Vamo ganha dinheiro agora! pensou...

No simulado do Uol, Ricardo montou sua carteira com uma única ação - Vale5   E sua estratégia all-in lhe rendeu cerca de 15% em duas semanas. Maravilhado com o retorno, não se conformava em deixar seu dinheiro na poupança rendendo 0,6% ao mês. Esse foi o gatilho para Ricardo entrar na bolsa de valores...

Com os R$1000,00 em conta. Ricardo resolveu seguir o simulado. Pensou;

 - Vou de all-in na Vale! Essa belezinha ninguém segura!

Após a compra da Vale, ficou olhando o home broker por algum tempo. Esperava terminar o dia vendo sua ação valorizando horrores. Não foi o que ocorreu. A vale5 fechou o dia com uma valorização de 0,3%.

Após alguns dias, Ricardo estava inconformado com a valorização de sua ação. Sempre pensava;

 - Que é que está acontecendo na bolsa de valores!  A Vale estacionou nesse preço, enquanto outras ações sobem sem parar!  Algo está errado!

Passados mais alguns dias e, Ricardo toma uma decisão;

 - Vou vender a Vale! Está decidido!

Mas antes de vendê-la, ficou se perguntando onde iria investir. Eis que surge os fóruns de renda variável na vida de Ricardo. Em uma pesquisa no google, encontrou o fórum da ADVFN.

No fórum, teve seu primeiro contato com os famosos "micos". Descobriu que se tratava de ações de empresas em recuperação judicial, falidas e etc. E descobriu também que estas ações oscilavam muito. Ficou impressionado com o que via. Até se perguntou - Como é que nunca me mostraram isso antes? 

Porém, o pior estava por vir. Ricardo além de acompanhar os micos, passou a dar atenção aos gurus dos fóruns. Sim, pessoas que diziam a quem quer que fosse a próxima ação a valorizar, ou melhor, na gíria deles - a próxima ação a decolar...

Ricardo tinha um total de R$5.000,00 de patrimônio. Decidiu arriscar tudo nos micos. Vendeu a vale5 e aportou o restante que estava na poupança, em apostas como kepl3, milk11 entre outras.

Durou praticamente duas semanas a estadia de Ricardo nesse mercado. De prejuízo em prejuízo, viu seu patrimônio cair para R$2500,00.  E não aguentando mais as derrotas que a bolsa de valores o impunha, tomou uma decisão;

 - Chega de acompanhar esses gurus! Só levei pancada!

E saiu com um patrimonio de R$ 2300,00. Era inicio de 2008. A bolsa de valores estava valorizando dia a dia. Chegou a bater 10 recordes de pontuação. Devido a essas noticias, Ricardo não tinha coragem de contar ao professor sua aventura na bolsa de valores. Só teve coragem de contar, após a bolsa despencar em meados de 2008...

Jean - Melhor amigo do Ricardo    


Jean tentou seguir os mesmos trilhos de Ricardo. Após saber da sua incursão a faculdade, Jean se apressou em fazer o mesmo.  Ele não podia ficar bem consigo mesmo sabendo que seu maior rival estava a sua frente nos estudos. Já deu para perceber que existe uma grande rivalidade entre os amigos Jean e Ricardo.

E Jean começou a fazer Finanças. De inicio, estava gostando do que via, até se deparar com cálculos. Jean não se dá bem com matemática, ele prefere português. Assim, logo Jean largou o curso e resolveu encarar o mercado de trabalho sem um titulo superior.

Jean decidiu investir na carreira de Segurança. Fez cursos e especializações. E através da sua profissão, conheceu a bolsa de valores. Jean logo entrara em um banco para trabalhar como segurança. Devido a sua alta sociabilidade, logo conheceu pessoas que procuravam investir.

Após algumas conversas, Jean decidiu aportar na renda fixa. Estabeleceu que investiria 30% de seus rendimentos em renda fixa. Seu plano começou em março de 2008.

Devido a trabalhos, estudos e família, Jean e Ricardo mal se falavam.  Isso durou cerca de 6 anos. Entre esse tempo, os dois costumavam a lembrar dos grandes duelos em Need for Speed (playstation 1), Super Volleyball (mega drive). Sem contar o jogo de damas, que ambos não admitem superioridade de ninguém.

Até que um belo dia por volta de 2014, Jean manda uma mensagem a Ricardo;

- Cara, já pensou em investir na bolsa de valores?
- E ae! meu já entrei - sai e agora estou dentro!
- Sério! Como não me falou antes...
- Ricardo o ironizou -  para quê?  
- Jean devolveu a ironia - ficou com medo que eu ganhasse mais? 

Após a troca de ofensa de ambas as partes, os dois conversaram um pouco sobre bolsa de valores. Ricardo contou sua experiência e como se preparou para voltar ao mercado. Jean conheceu um cliente do banco que lhe contou sobre a bolsa.
Ricardo o alertou sobre os perigos de se investir na bolsa de valores sem preparo, mas Jean não estava muito disposto a ouvi-lo.

 - Cara, acumulei uma grana legal na renda fixa. Porém, não estou satisfeito com os rendimentos. E vi que posso ganhar muito, mas muito mais na bolsa! 
 - Meu vai com calma! E não entendo como você não está satisfeito recebendo cerca de 1% ao mês!
 - É mas na bolsa posso ganhar 10x mais que isso!
 - Até pode, mas é bem difícil...   

Jean estava empolgado demais para prestar atenção no que Ricardo lhe dizia.  Seu interesse era apenas saber quais os papeis Ricardo escolhera.

Jean começou a seguir os mesmo passos de Ricardo no passado, por mais que os conselhos fossem contra. Jean se cadastrou em fóruns, seguia dicas de gurus...  E sempre quando não entendia alguma coisa, recorria ao amigo Ricardo para lhe explicar.

Depois de relatar alguns prejuízos, Jean disse a Ricardo que estudaria e pararia de entrar em fóruns. Ricardo ficou feliz em ouvir isso. Após essa conversa, ficaram um bom tempo entre conversa e outra falando do passado, ou seja, um tentando provar ao outro quem é freguês de quem...

Até que passados quase um ano, Jean manda uma mensagem para Ricardo;

 - Cara, preciso de um contador!
 - O que vocẽ aprontou?
 - Acho que preciso pagar uma DARF e quero fazer o quanto antes, não quero rolo com governo.

Ricardo explicou que não era necessário um contador só para pagar uma DARF. E após ouvir Jean, percebeu que não era contador que ele precisava.

 - Cara você tem um prejuízo acumulado de mais de R$ 80.000!  Que se fez!
 - A investi em uns micos ai, me ferrei. Mas fiz umas operações que me devolveram parte do prejuízo.
 - Então, esqueça contador. Por enquanto você não tem nada a pagar. Ainda falta uma grana para zerar esse prejuízo ai. Relaxe...
 - Beleza! Você sabe preencher a DARF?
 - Sei sim, quando precisar te ajudo!
 - Valeu!

Após a conversa, Ricardo pensou;

 - Caralho 80mil! Que esse maluco fez, ele não me ouviu! 

Após uns dias, Jean manda uma mensagem a Ricardo;

 - Cara agora é sério, pode me ajudar com a DARF?
 - Você zerou o prejuízo?
 -  Sim!
 - Puta que pariu! Que beleza hein velho, vamos preencher isso ai... (não irei contar o palavrão que o Ricardo expressou aqui rsrs)

Fim


Essa história é verídica segundo os autores.  Mostra como a empolgação e o despreparo são ruins não só na bolsa de valores, mas em tudo que fazemos. Eu Investidor Inglês tive um inicio parecido com o do Ricardo, com a diferença que perdi um pouco menos que ele.  Já o Jean teve uma sorte que poucos tiveram. (recuperar prejuízo sem saber o que está fazendo é para poucos rsrs)

Agradeço a contribuição de vocês Ricardo e Jean!



See ya!  


           

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Livro - A Boa Sorte



Já te disseram que algo que você conquistou foi meramente sorte ?

Aposto que já ouviu alguém dizer que não tem sorte na vida?
 


A primeira pergunta para quem vai responder, não soa nada legal. (pelo menos para alguns)   Principalmente se você suou, trabalhou duro para conquistar o que outros dizem que foi por "sorte". Algumas pessoas não conseguem acreditar que com trabalho e perseverança se consegue alcançar objetivos. Preferem esperar pela sorte.

A segunda pergunta retrata essas pessoas que ficam esperando a sorte os contemplá-los.

 Esperam...  Esperam...  


Ficam na inércia, na chamada espera do milagre. Não agem, não correm atrás de seus objetivos com o argumento que uma hora a sorte há de aparecer. E pior, se julgam merecedoras de conquistas tanto quanto aquele que acordou cedo, trabalhou pesado, trocou finais de semana de diversão por atividades que talvez nem gostasse de fazer, mas sabia que tinha de fazê-las em busca do bem maior.

O livro A Boa Sorte mostra, vou colocar resumidamente aqui a ideia, que a sorte é você quem constrói. Ele fala que através dos seus atos, você é recompensado pela sorte! (Legal, não?)  Através de um conto infantil, o livro te mostra as diferenças entre quem busca a sorte e quem espera pela sorte.

Vi a recomendação desse livro em um blog de empreendedorismo que infelizmente não está mais no ar.  Era um blog com ideias interessantes...

Sobre o livro, gostei dele. Achei interessante o modo como é explicado o tema sorte...    Fica a recomendação!!


Sobre minha leitura atual, cara A Revolta de Atlas é algo fodástico!  Apesar de ainda não ter terminado o primeiro volume, já posso dizer que ele é muito bom.  (são três volumes esse livro)  Conforme a leitura, consigo compará-lo com o momento atual do Brasil. (e olha que esse livro foi escrito há um tempo hein...)







See ya!
 

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Parcial da carteira simulada - fórmula mágica Joel Greenblatt



Hey!

Segue a primeira parcial da carteira simulada que fiz. (Não viu?  Veja aqui!). Lembrando que a carteira é baseada na fórmula mágica de Joel Greenblatt.

   Vamos lá!

Total da carteira em 02/01/2017 = R$194.521,00

Fechamento do dia 12/01/2017  = R$202.243,00  ou seja, valorizou cerca de 3,97%

Comparando com o Ibovespa, a carteira está perdendo por uma boa margem. O índice valorizou do dia 02 até o dia 12 cerca de 7,15%  (belo inicio de ano em Sr Ibov...)

Abaixo a composição da carteira.





See ya!